Novo/a no Ateísmo-PT? Começa por aqui.

Arquivo da Categoria ‘Intolerância’

A “Ground Zero Mosque” e a tirania dos “sentimentos”

Quarta-feira, 18 de Agosto, 2010

(aviso: este post é um pouco mais informal e “irritado” do que o habitual; começou por ser uma sequência de comentários no Facebook, e escolhi manter a “crueza” deles aqui. Só o “P.S.” é que é novo.)

A história da “mosque” no mesmo bairro do sítio do 11 de Setembro, com os sentimentos feridos destes, e as emoções magoadas daqueles, e tudo o resto… Desculpem o que vem a seguir, mas, porra, FODAM-SE OS SENTIMENTOS!

Já estou farto de ver “os meus sentimentos” ou “os sentimentos destes ou daqueles” como desculpa para exigir leis ou políticas para um estado ou um país, como desculpa para não cumprir a lei existente e sair impune, e como desculpa para oprimir outros. Como se “sentimentos feridos” tornassem algo ou alguém automaticamente certo e incriticável. Aos americanos (e não só) que se opoem a algo perfeitamente legal e legítimo porque isso lhes “fere os sentimentos”… CRESÇAM UM BOCADINHO, ok?

E, sim, isto vem de tudo o que tenho lido na última semana sobre o assunto, mas a “gota de água” foi ouvir uma pessoa — portuguesa! — dizer que concordava inteiramente com a oposição à “mosque”, porque num caso como este estamos a falar de emoções feridas, e por isso o que é legal ou não — e o que é ético ou não — é irrelevante.

Uma atitude destas mete-me nojo a todos os nívels, e só me dá vontade de responder mencionando onde este tipo de pessoas pode ir meter as suas preciosas “emoções” — feridas ou não.

P.S. – e há muito que me irrita esta ideia, pelos vistos aceite pela maioria da sociedade, de que sentimentos e emoções são as coisas mais importantes do mundo, e que qualquer posição ou acto (incluindo uma eventual atrocidade) é aceitável — e incriticável –, bastando para isso que o autor diga “eu sinto isto muito“.

Dia de desenhar Maomé

Quinta-feira, 20 de Maio, 2010

Hoje é o Dia de desenhar Maomé (link neste momento em baixo; não sei se será por excesso de acessos, ou porque o serviço de hosting se acobardou), que também tem um grupo no Facebook. Sendo assim, aqui vai a minha entrada, feita num minuto no Gimp:

Maomé

(se eu desaparecer nos próximos tempos, já sabem o que foi. 🙂 )

O meu objectivo com isto não é ofender ninguém, se bem que imagino que tal aconteça; é, apenas, dizer a certos elementos de certa religião que eles não conseguem calar o mundo inteiro com ameaças cobardes de violência. Em sociedades não-medievais, a liberdade de expressão é infinitamente mais importante do que o “direito” (que não existe) das pessoas não ouvirem ou verem nada que as ofenda. Até porque, se vamos por aí, também me ofendem — profundamente — as barbaridades que certos membros da “religião da paz” dizem e, sobretudo, fazem. Mas tomaria eu que tudo o que eles fizessem fosse ofender-me a mim e a outros…

Se quiserem mais exemplos do Dia de desenhar Maomé, vejam o Planet Atheism hoje (dia 20 de Maio), ou, se já tiver passado algum tempo, naveguem lá até esse dia. Há lá uns excelentes, tanto em termos artísticos (coisa que obviamente não acontece com o meu) como em termos de mensagem.

Sugiro também o Mohammed Image Archive, que tem imagens de todos os tipos — incluindo pinturas feitas durante a vida do referido. E não deixem de ver os emails que esse site já recebeu…

Ouvidos delicados

Quarta-feira, 12 de Maio, 2010

Até parece combinado, não é? Depois desta questão, e desta, e desta resposta às mesmas (à qual já respondi, no blog em questão), o sempre delicioso Jesus and Mo demonstra claramente a situação absurda actual…

Jesus and Mo - "Ears"

… em que qualquer crítica a uma crença religiosa é “estridente”, “militante”, “intolerante” e “pessoalmente ofensiva”, coisa que não aconteceria para qualquer outro assunto.

A religião em geral, cada religião individualmente, e cada crença religiosa especificamente, não passam de ideias, e não há nenhuma razão válida para estarem numa posição privilegiada acima de críticas, nem os crentes têm qualquer justificação para igualar críticas às suas crenças a ataques pessoais… ou direito de o fazer. É altura de retirar as crenças religiosas do “colo da mamã” onde continuam a ser injustamente protegidas e privilegiadas, e trazê-las para o mundo real, o “mundo dos crescidos”, onde todas as outras ideias já vivem há muito tempo.

P.S. – para não dizerem que “ponho tudo no mesmo saco”, se és crente mas não consideras que criticar crenças religiosas (tanto a tua como outras) é “blasfémia”, nem achas que tais crenças devam estar privilegiadamente acima de críticas, 1) obviamente, este post não te está a criticar a ti, e 2) parabéns, é pena a maioria dos crentes não ser como tu, neste aspecto. 🙂

“Ateus são tão fanáticos e militantes como os crentes que criticam!”

Segunda-feira, 10 de Maio, 2010

Hoje voltei a ouvir (bem, ler) esta, num tweet de alguém cujas opiniões em geral até respeito (afinal, sigo-o no Twitter), e… apesar de ser incrivelmente comum, não consigo deixar de ficar surpreendido pelo facto de alguém ser capaz de afirmar — ou pensar — isso.

O que os ateus que criticam a religião fazem, em geral, divide-se em dois aspectos: 1) crítica a actos praticados por instituições religiosas ou em nome da religião (ex. propagação da SIDA em África devido à oposição aos preservativos, encobrimento institucionalizado da pedofilia1, opressão das mulheres em países muçulmanos, terrorismo religioso, anti-intelectualismo e oposição à ciência, etc.), e 2) crítica às crenças religiosas e ao pensamento religioso propriamente ditos, no âmbito da promoção da racionalidade e pensamento científico, no sentido de tornar o mundo melhor, em oposição a uma humanidade presa a crenças sobrenaturais que acabam por nunca passar de “wishful thinking”. Todos estes actos resumem-se a críticas — críticas de actos, críticas de pessoas, e críticas de ideias. Isto é que é “fanatismo miltante”?

A ideia das pessoas que fazem afirmações destas parece ser a seguinte: quem critica um acto condenável é “tão mau” como o autor desse acto, devido meramente ao acto da crítica.

Quem critique um político corrupto é tão condenável como ele. Quem exija justiça para um violador ou pedófilo é tão criminoso como se tivesse violado ou abusado de crianças. Quem chame a polícia a reportar um roubo é tão culpado como o ladrão. Quem se revolte com o racismo é tão condenável como o maior racista.

Isto faz algum sentido? É claro que não. É completamente absurdo para os exemplos acima, e é-o para qualquer outro exemplo em que possamos pensar.

Excepto a religião.

Já há muito que isto se faz notar, e muitos já o disseram no passado: é historicamente tão incomum criticar-se de alguma forma a religião — e, no caso de países como Portugal, a Igreja Católica –, e mesmo até há muito pouco tempo era tão invulgar que alguém o fizesse, que o mais leve sussurro soa a um grito estridente. E soa dessa forma até mesmo para quem não seja ele próprio crente.

Nada mais explica porque é que, independentemente dos abusos e até atrocidades feitos por organizações religiosas, ou feitos em nome da religião, a simples crítica em oposição aos mesmos seja absurdamente equiparada a esses abusos e atrocidades.

A quem diz coisas como no título do post, a minha sugestão é: pensa um pouco nesta questão. Porque é que a religião — sejas ou não crente — deve estar num pedestal especial, acima de qualquer crítica? E se não achas que deva estar, porque é que ages como se devesse?

  1. reparem que não os culpo da pedofilia propriamente dita; aí a culpa é só do indivíduo em questão, e não é preciso ser religioso para se ser pedófilo. Mas o crime do encobrimento e violação de outras crianças no futuro graças a esse encobrimento — em nome da “reputação da igreja universal” — é 100% culpável à Igreja Católica e à hierarquia da mesma. []

Peixes, ateísmo e intolerância

Sexta-feira, 12 de Fevereiro, 2010

Isto é um Ichthys, mais vulgarmente conhecido nos EUA por “Jesus Fish”, relativamente frequente em carros portugueses (ainda hoje reparei num a vir para o trabalho):

Jesus Fish

(Há variantes dele que não incluem a palavra “Jesus”, sendo totalmente “ocos”, ou que incluem outras palavras, como “Truth”.)

E isto é um “Darwin Fish”, obviamente uma paródia do anterior (reparem nas patas do peixe, referência à evolução das espécies):

Darwin Fish

Este último em geral é exclusivo dos EUA, já que lá a religião é muito associada ao Criacionismo, a ideia de que o Genesis da Bíblia deve ser interpretado literalmente, e por isso a evolução Darwiniana das espécies é falsa, porque os animais foram todos criados há uns 6000 anos tal como são, a humanidade começou com Adão e Eva, houve mesmo um dilúvio mundial, e outras baboseiras cuja falsidade está mais que provada pela geologia, biologia, história, etc..

De qualquer forma, assim como o primeiro pode ser associado a um Cristianismo “activo” (afinal, a pessoa está a comunicar ao mundo a sua crença — e note-se que não vejo mal nenhum nisso, por si só), o segundo pode provavelmente ser associado ao ateísmo.

Ponho agora a pergunta: qual dos dois, colado num carro, implica maiores probabilidades — implica quaisquer probabilidades — de o carro ser vandalizado por causa disso?

Penso que a resposta é óbvia.

Como já abordei nos posts anteriores, qualquer activismo ateu, por muito “leve” que seja — nem que seja simplesmente dizer “eu sou ateu”, sem vergonha ao fazê-lo –, incomoda as pessoas de uma forma que não é visível em nenhum outro campo.

Nenhum ateu, nem nenhum crente de outra religião (excepto talvez numa teocracia muçulmana) vai alguma vez vandalizar o carro de um cristão que tenha o autocolante do peixe. Assim como nenhum fã da Microsoft vai riscar ou partir o vidro de um carro com o autocolante de uma maçã (que é bem mais uma religião para os fãs da Apple do que o Cristianismo para muitos “católicos não-praticantes”… 🙂 ). Mas o “sou ateu” perturba. Perturba até outros ateus, por alguma razão.

Opiniões?

P.S. – podia também perguntar o que é que isto diz sobre a moralidade de ambos os lados…


Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 2.5 Portugal
This work by Dehumanizer is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 2.5 Portugal.