Novo/a no Ateísmo-PT? Começa por aqui.

Regras para comentários

Comentários são sempre bem vindos. No entanto, há umas regras a respeitar:

  • Nada de spam. Nada, zero, nicles. Todo e qualquer comentário publicitário (que passe pelo filtro automático) será imediatamente apagado.
  • Os comentários devem ter a ver com o post em questão. Ou seja, evitar comentários tipo “gostei do teu blog”, ou em resposta a um post sobre um assunto diferente, ou a falar-me de uma coisa que não tenha a ver com o post. Não sou rígido com isto, mas preferia mesmo que cada post tivesse comentários sobre o tema do mesmo. Também é “feio” pegarem numa palavra (“keyword”) num post que vos faz falar de um tema completamente diferente; nesse caso acho que estão a precisar de ter o vosso próprio blog. 🙂
  • Nada de insultos, seja a mim seja ao autor de um comentário anterior. Note-se que criticar crenças íntimas não é um insulto, apesar de haver quem pense que é.
  • Comentários TOTALMENTE EM MAIÚSCULAS são totalmente imaturos e fazem-te parecer um maluquinho, pelo que, para bem da tua reputação 🙂 , serão apagados.
  • Discordem de mim à vontade; até agradeço que o façam, porque aprendo sempre alguma coisa com isso. Mas façam-no, por favor, dizendo em que é que eu estou errado, e porquê, apresentando factos e razões. Não se ponham com reacções infantis equivalentes aos suspiros, risinhos e abanares de cabeça (sempre tão patéticos) que se podem ouvir e ver na Assembleia da República quando quem está a falar é de um partido diferente. Não façam uso de “bocas” vagas e genéricas como “não vives neste mundo”, “não sabes do que falas”, “não percebes nada disto”, e afins, sem especificarem onde é que estou supostamente errado. Não ponham palavras nem objectivos na minha boca. Respondam ao que eu disse, explicando como e porque é que eu acabei de dizer um disparate. É assim tão difícil dizer “estás errado em A e B, pelas razões C e D”?
  • Em questões de religião e afins, estejam à vontade para discordar de mim e me dizer como estou errado e porquê (apresentando dados, evidências, provas, naturalmente… têm-nos, não têm?), mas nada de “pregar” — ou seja, ameaçar-me com tormento eterno, dizer que Deus “me ama” ou “tem um plano para mim”, falar de como aceitaram Jesus Cristo na vossa vida e a mesma mudou completamente, ou apresentar a vossa completamente inédita teoria que resolve todas as contradições e atrocidades na Bíblia. Respondam ao post. Digam-me como eu estou errado, se conseguirem. Mas isto não é uma praça pública para virem aqui subir para uma caixa de madeira, com roupas sujas e uma Bíblia na mão, bradar “arrependam-se” e mencionar como o fim está próximo (afinal, ninguém afirmou que o fim estava próximo há 1, 5, 10, 20, 100 anos, logo de certeza que vocês são algo nunca visto.)
  • Relacionado com o ponto anterior: nada de “argumentar por copy & paste”, isto é, fazer copy & pastes de textos enormes, em geral tangencialmente (ou nada) relacionados com o assunto do post / comentário ao qual respondem, e que muitas vezes nem sequer vocês próprios entendem. Numa discussão argumenta-se e responde-se, não se discursa — e, pior, não se discursa papagueando discursos de outros.
  • Estejam à vontade para corrigir qualquer erro de português ou inglês que eu dê, mas, por favor, não me critiquem por usar expressões em inglês no meio do que eu escrevo. É um hábito que tenho há décadas, e vem do facto de eu ser informático e ler praticamente só em inglês. Não é exibicionismo da minha parte (francamente… que tipo de “exibicionismo” pode haver em escrever na língua mais fácil do mundo?).

E, já agora, há uma função de “Responder” a outros comentários. Ou seja, para responder ao post, é só começar a escrever, mas para responder a um comentário, deve-se clickar primeiro no “Responder” associado ao comentário em questão, e só depois escrever a resposta. Fica muito mais bonito e fácil de seguir. 🙂


Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 2.5 Portugal
This work by Dehumanizer is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 2.5 Portugal.